segunda-feira, 24 de setembro de 2018

#VOCÊNÃO

Demorei a entender q muitas vezes quando se tem político de estimação, o animal pode ser quem o estima. Nessa época conturbada, onde 13 candidatos disputam a presidência de um país; percebe-se com tristeza, os danos da ignorância de um povo que só enxerga 2 candidatos.

Nesta eleição, a disputa não está entre esquerda e direita. Para mim, cada um pode se posicionar em qualquer lado, reconheço que está realmente muito difícil. Mas o que me preocupa vai além disso. Não estamos em uma situação que nos impõe escolha entre "elite" e "senzala". A discussão não é se você prefere coxinha ou mortadela. A situação que se levanta é a possibilidade de um estatista subir ao poder e levar um país à barbárie.

Hoje ousei desafiar um conhecido, ferrenho defensor do candidato favorável a colocar Deus acima de tudo e o Brasil acima de todos, a defender o candidato dele. Ele citou algumas situações a qual o referido candidato irá LUTAR CONTRA. O candidato vai LUTAR CONTRA a ideologia de gênero. Vai LUTAR CONTRA os bandidos. Vai LUTAR CONTRA todas as ameaças às famílias. Vai LUTAR CONTRA o regime comunista que quer calar os cristãos e a igreja de Deus.

Gostaria imensamente de ver UM ao menos UM discurso A FAVOR do bem. Algo que buscasse compreender as diferenças sociais e lutar para equilibrá-las. Algo que favorecesse às minorias. Algo que favorecesse a reintegração dos marginalizados à sociedade. Algo de acolhedor para quem não teve oportunidades na vida ser acolhido em um lar saudável. Enfim, algo a favor. Afinal, pelo que vivi no tempo no qual eu estava mais voltada ao cristianismo, era esse o caráter de Jesus. E, ao menos que a Bíblia tenha sido reeditada, as palavras de Jesus e dos seus seguidores eram de amor ao inimigo, perdão, oferecer a outra face, não atirar pedras se tbm for pecador...


Ademais, reservo-me o direito de, a partir de agora, não responder mais a nenhum comentário de eleitores deste senhor. Não porque me falte argumentos, mas pq chega a ser exaustivo responder quem não tem memória, quem clama por um candidato favorável à ditadura. Quem defende o voto a um fascista sob o argumento de ameaça do PT. Quem não enxerga que são mais de 10 candidatos. Quem não tem discurso e quem não consegue escrever mais de 3 linhas, sem citar o nome de Lula, como se na disputa houvesse apenas 2 opções. 

Movida por tristeza e cansaço, escrevo estas palavras:

Elejam quem quiser! 
A democracia existe para isso mesmo. O Estado livre de direito o qual foi levado o Brasil é tão maravilhoso que permite que os brasileiros decidam até por sua própria mordaça. 

Escolham pois a mordaça mais cruel! 
Comecem por bater panelas. Rasguem a constituição, retrocedam o direito ao voto, trabalhem de sol a sol para enriquecer aqueles q vcs nunca serão, clamem pelo direito de pegar em armas e metralhem petralhadas, feminazis, veado e sapatão. Exterminem todos os quais não estão dentro do padrão que lhe fizeram crer que era o padrão natural. 
Elejam aquele que pode calar todos para sempre e q toda atrocidade q hj vcs cometem agredindo por palavras e ações os que pensam contrário a vcs seja cometida com a máxima barbárie, porque em uma ditadura pouco se poderá falar ou agir contra os diferentes. 

No final comemore! Teremos enfim o Brasil q vc sonhou.

domingo, 9 de setembro de 2018

SETEMBRO (VIDEOCLIPE)

Música autoral do artista alagoano Tiago Godoi o qual gentilmente me convidou para encenar o clipe. "Setembro" é lançado em setembro, mês em que se destaca campanhas de prevenção ao suicídio.
Conversem com seus amigos, colegas e parentes. Aconselhe-os, incentive-os a procurar ajuda, ou, procure ajuda você mesmo caso necessite.

terça-feira, 22 de maio de 2018

METONÍMIA

Todo sujeito é verbo
Livre para conjugar-se,
Predicar-se e prejudicar-se
No substantivo chamado vida.
A vida de substância tempo e espaço
De dores, dúvidas e êxtase.
Dos que hesitam e exultam o êxito
Dos sujeitos flexionados
Ocupa assim a palavra, função diferente do ser,
Sendo o sujeito verbo direto
Que transita perto de outros sujeitos
Às vezes intransitivos; às vezes intransigentes.
Narra-se a vida em primeira em experimentos de quinta...
Insubordinados coordenam suas orações com aposto
na aposta que o vocativo que invocam possa um dia os responder.
Todo sujeito é verbo.
Pode ser muitos sendo um só.
Todo sujeito tem por complemento uma dor.
Alguns lamentam saudade,
uns choram o porvir.
Outros fingem ser a dor um presente.
Agradecem.
Sofrem.

H.T.

sexta-feira, 27 de abril de 2018

APENAS UM BILHETE

- Hellen, por que você faz isso?

- Todos os conselhos que recebo para seguir em frente, bem como as críticas por eu insistir em não seguir, só me levam a perceber, como as pessoas são iguais. Não é à toa que o mundo é como vemos. Os habitantes pintaram o mundo com cores tão fortes que, sobrepostas, o escureceram. E o fato de eu estar neste mundo, dá-me também o direito de redesenhá-lo e colorir com as minhas cores.

É bem verdade que me sinto como o beija-flor que na história tenta apagar o incêndio da floresta sozinho, carregando água em seu bico...
Contudo interessa-me dizer que jamais irei me arrepender de nada do que fiz para tentar suavizar as cores deste mundo. Sempre que insisto em uma situação, é porque eu sinto que de algum modo, poderia derramar ali, a tinta da felicidade. Da valorização do outro, do sentimento de que ninguém pode ser substituído e de que não é normal acostumar-se a dor.

Se no caminho daquilo que eu acreditei ser o indício de novas cores eu me deparo com engano... Se nas situações em que insisto, por insistir, dizem-me louca ou estranha... Ainda assim não há arrependimento.
Antes, eu me dou conta do meu erro. E percebo que aquela pessoa ou situação na verdade, em nada diferia dos tons que não me caem bem. Acabam de certo, por serem todos iguais, o que não é tão ruim, afinal, todos se acostumaram. Alguns são capazes até de jurar que gostam.
E eu... Eu continuarei entregando amor.

- Hellen, por que você faz isso?
- Porque cada um dá somente aquilo que tem.

Com amor,

Hellen Taynan
27/04/2018 (madrugada dentro e fora)

sábado, 31 de março de 2018

MEMORIAIS

Das contribuições da Reforma Protestante, algumas me instigam mais em memoriais específicos. Um deles é a Páscoa. 

Antes de comemorar a ressurreição, ainda hoje Católicos Apostólicos,Romanos "malham" o Judas e o guardam como grande traidor. Há mais de 2 mil anos condenam Judas pelo seu pecado, segundo eles, o crime de "entregar" o Cristo às mãos dos inimigos.

Quanto a isso, lembro as palavras do próprio Jesus quando Pedro tentou livrá-lo do sofrimento:

"E começou a ensinar-lhes que era necessário que o Filho do homem padecesse muito, fosse rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e pelos escribas, e fosse morto, mas ressuscitasse depois de três dias.
E falava-lhes abertamente dessas coisas. Pedro, tomando-o à parte, começou a repreendê-lo.
Mas, voltando-se ele, olhou para os seus discípulos e repreendeu a Pedro: Afasta-te de mim, Satanás, porque teus sentimentos não são os de Deus, mas os dos homens." Marcos 8:31-33

Ademais, 700 anos antes da vinda de Jesus, seu nascimento, morte e ressurreição já haviam sido profetizados por Isaías.
E por minha conexão com Deus sobrepujar o teto de qualquer igreja ou templo que medeia esta conexão, por não ter compromisso em agradar ninguém, posso por vezes desagradar a muitos. O que, neste sentido, me torna mais próxima de Judas, humano, que de uma divindade perfeita, a qual nunca vou ser. 
Até porque, se formos pensar, tanto Judas como você e eu, somos cria do mesmo Deus. Somos criaturas brincando de ser donos de nossa vontade.
Mas Deus sabe quem somos. Ele sabe.