terça-feira, 22 de maio de 2018

METONÍMIA

Todo sujeito é verbo
Livre para conjugar-se,
Predicar-se e prejudicar-se
No substantivo chamado vida.
A vida de substância tempo e espaço
De dores, dúvidas e êxtase.
Dos que hesitam e exultam o êxito
Dos sujeitos flexionados
Ocupa assim a palavra, função diferente do ser,
Sendo o sujeito verbo direto
Que transita perto de outros sujeitos
Às vezes intransitivos; às vezes intransigentes.
Narra-se a vida em primeira em experimentos de quinta...
Insubordinados coordenam suas orações com aposto
na aposta que o vocativo que invocam possa um dia os responder.
Todo sujeito é verbo.
Pode ser muitos sendo um só.
Todo sujeito tem por complemento uma dor.
Alguns lamentam saudade,
uns choram o porvir.
Outros fingem ser a dor um presente.
Agradecem.
Sofrem.

H.T.

sexta-feira, 27 de abril de 2018

APENAS UM BILHETE

- Hellen, por que você faz isso?

- Todos os conselhos que recebo para seguir em frente, bem como as críticas por eu insistir em não seguir, só me levam a perceber, como as pessoas são iguais. Não é à toa que o mundo é como vemos. Os habitantes pintaram o mundo com cores tão fortes que, sobrepostas, o escureceram. E o fato de eu estar neste mundo, dá-me também o direito de redesenhá-lo e colorir com as minhas cores.

É bem verdade que me sinto como o beija-flor que na história tenta apagar o incêndio da floresta sozinho, carregando água em seu bico...
Contudo interessa-me dizer que jamais irei me arrepender de nada do que fiz para tentar suavizar as cores deste mundo. Sempre que insisto em uma situação, é porque eu sinto que de algum modo, poderia derramar ali, a tinta da felicidade. Da valorização do outro, do sentimento de que ninguém pode ser substituído e de que não é normal acostumar-se a dor.

Se no caminho daquilo que eu acreditei ser o indício de novas cores eu me deparo com engano... Se nas situações em que insisto, por insistir, dizem-me louca ou estranha... Ainda assim não há arrependimento.
Antes, eu me dou conta do meu erro. E percebo que aquela pessoa ou situação na verdade, em nada diferia dos tons que não me caem bem. Acabam de certo, por serem todos iguais, o que não é tão ruim, afinal, todos se acostumaram. Alguns são capazes até de jurar que gostam.
E eu... Eu continuarei entregando amor.

- Hellen, por que você faz isso?
- Porque cada um dá somente aquilo que tem.

Com amor,

Hellen Taynan
27/04/2018 (madrugada dentro e fora)

sábado, 31 de março de 2018

MEMORIAIS

Das contribuições da Reforma Protestante, algumas me instigam mais em memoriais específicos. Um deles é a Páscoa. 

Antes de comemorar a ressurreição, ainda hoje Católicos Apostólicos,Romanos "malham" o Judas e o guardam como grande traidor. Há mais de 2 mil anos condenam Judas pelo seu pecado, segundo eles, o crime de "entregar" o Cristo às mãos dos inimigos.

Quanto a isso, lembro as palavras do próprio Jesus quando Pedro tentou livrá-lo do sofrimento:

"E começou a ensinar-lhes que era necessário que o Filho do homem padecesse muito, fosse rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e pelos escribas, e fosse morto, mas ressuscitasse depois de três dias.
E falava-lhes abertamente dessas coisas. Pedro, tomando-o à parte, começou a repreendê-lo.
Mas, voltando-se ele, olhou para os seus discípulos e repreendeu a Pedro: Afasta-te de mim, Satanás, porque teus sentimentos não são os de Deus, mas os dos homens." Marcos 8:31-33

Ademais, 700 anos antes da vinda de Jesus, seu nascimento, morte e ressurreição já haviam sido profetizados por Isaías.
E por minha conexão com Deus sobrepujar o teto de qualquer igreja ou templo que medeia esta conexão, por não ter compromisso em agradar ninguém, posso por vezes desagradar a muitos. O que, neste sentido, me torna mais próxima de Judas, humano, que de uma divindade perfeita, a qual nunca vou ser. 
Até porque, se formos pensar, tanto Judas como você e eu, somos cria do mesmo Deus. Somos criaturas brincando de ser donos de nossa vontade.
Mas Deus sabe quem somos. Ele sabe.

terça-feira, 27 de março de 2018

Fundamentos da justiça divina e lei do retorno: pra quê?

O que me importa acreditar que tudo o que se faz volta para quem fez se fazendo o bem tenho recebido o mal? Se cercada do amor de muitos, encontro-me inalcançável (e só). De que me vale o consolo de pensar que quem me fez o mal vai receber o mal no futuro se toda dor agora é somente minha?

Não senhoras e senhores. Não me importa a justiça divina. Não me interessa a lei do retorno. Nenhum mal que volte a quem mal me fez vai aliviar um décimo do sofrer que passo agora.

Desse modo, dizer que Deus está vendo o mal que me fizeram, não faz nenhuma diferença. Especialmente quando sei que existem tantos humanos brincando de ser deus.

E então, o que eu espero afinal?

Em meu mundo, que de tão simples torna-se perfeito e, portanto, impossível, existe a resposta em seguida do gesto. O gesto é o arrependimento; a resposta, é o perdão.

O antídoto, a felicidade.

O desejo é que quem hoje faz o mal seja feliz. Mas tão feliz que seja capaz de sofrer pela remota possibilidade de causar dor a outra pessoa.


terça-feira, 20 de março de 2018

A CULPA É DA ESQUERDA, DOA A QUEM DOER!

Talvez seja difícil para você admitir que Bolsonaro seja cria de personagens como Jean Wyllys. Entendo. Eu não tenho problemas em publicar este texto. Abomino fanatismos, eufemismos e qualquer necessidade de agradar sendo o que não sou. Quanto a isso, talvez esteja mal posicionada. Poderia, quem sabe, ser de esquerda, não fosse o niilismo (ou talvez a própria esquerda).
A esquerda contaminada pela doença do "falem mal, mas falem de mim", cutucou a ferida de forma profunda e irreversível. Afrontou valores de um país que, quer você goste ou não, é de maioria cristã, conservadora e formado por lares tradicionais.
Eu sempre disse que a maneira correta de impor respeito não era pelo ódio. Um princípio de Confúcio já dizia que as palavras convencem, mas os exemplos arrastam. E qual o exemplo da esquerda? Qual o limite entre a anarquia e a ordem quando se inverte o sistema?
Jesus é gay, trans, cis. Elementos sacros são adereços do profano. Homens devem ser odiados pelas mulheres, afinal, são estupradores em potencial. Não basta garantir que as mulheres tenham direito ao aborto em casos excepcionais. Vamos instrui-las a não levar adiante a gravidez caso não estejam a fim no momento. Cultura? Só se for pós-moderna! Vamos exibir nossa arte em um vaso sanitário, um monte de lixo no canto da sala, um homem nu sendo tocado por uma criança. Gênero? Não existe. É uma criação social. Sexualidade infantil? É normal um menino levar seu namoradinho para o aniversário de 13 anos e beijar na boca dele ao som de aplausos. Empoderamento é promiscuidade. Afronte. Indisciplina. Desrespeito.
A esquerda pariu o ódio a ela mesma e agora sofre as consequências. Não há bandeira branca. Cada vez mais estão vermelhas. De partido e sangue.
Em busca do respeito, o ódio continua sendo combatido com ódio e você briga com seu amigo no facebook, faz chacota de quem se posiciona diferente de você. Multiplica as crias de uma história de ódio. Porque é tudo o que resta.
Fomenta-se a intolerância sustentando discursos demagogos de equilíbrio e igualdade.
Enquanto isso, estamos prestes a entregar o país nas mãos de um delinquente, e assistir calados, em nome de uma democracia, o grito dos que se vêem desesperados diante de tanta coisa fora do lugar.
É triste, mas o pior ainda está por vir. #esquerda #direita #Brasil #Bolsonaro #JeanWyllys #niilismo #bulanabula #antesqueocafeesfrie