segunda-feira, 17 de novembro de 2014

O tempo passa e você percebe que está sozinha.
Na terça, você se dá conta que seu aniversário é amanhã.
Na quarta, você se dá conta que a noite caiu e você ainda não teve sequer um abraço.

Aniversário sozinha.

À noite, rolou UM abraço. Um abraço de um amigo. Um amigo que fiz na segunda. E me abraçou na quarta e me deu aveia em flocos de presente.
Acredito que, fosse outro presente, eu teria caído em lágrimas a julgar pela hora em que fui receber o abraço de um dia que deveria ser só abraços... Mas eu sorri! Presente inusitado. Muito bom.

Tenho comido mingau de aveia todos os dias.

São tantas pessoas que te adoram e que querem estar do seu lado, mas não estão... Tantas pessoas que prometem te ligar, te fazer uma visita, mas não fazem. Estar sozinha como estou agora, me entristece, mas me fortalece mais que a tristeza poderia ser capaz de me derrubar.
Acho mesmo que eu precisava de um choque com um contato maior com a realidade e a crueldade da vida e das pessoas. A teoria não representa o que de fato acontece na prática. Toda a humanidade é nojenta. Infelizmente, sou humana. Mas eu não sou qualquer humana... Sou daquelas que sonha e que transforma os sonhos em realidade. Uma pessoa que decidiu sorrir para a vida e gargalhar diante dela.

A teoria do caos, funciona para voltar contra você tudo aquilo que está aparentemente desordenado. De modo que, tudo estando em desordem, tudo está contra você.

De repente você substitui o sushi pelo omelete e troca de celular por um mais simples... De repente você arruma suas coisas e percebe que não precisa de tanto assim... Mas seria bem legal uma persiana na janela da sala.
Antes, você passava tempo na internet escolhendo sapatos, hoje você busca formas de ganhar algum dinheiro.

Os elogios vêm aos montes.
...

Eu estive pensando em lançar um desafio! Que cada um que visitasse meu blog, depositasse 1,00 em minha conta. Cara, isso me daria uns 200,00 por dia e eu poderia consertar o ar condicionado do meu carro, mandar lavar ele, comprar a persiana e comer sushi. Nas quartas-feiras, então, com a coluna no Jornal de Caruaru, eu teria um bônus de 800,00 em média! UAU!

Vou voltar pros braços de Baudrillard... Acho que cometi adultério contra Nietzsche, mas isso é outra história...



Um comentário:

Cesar Rios disse...

Olha, sobre a falta de grana (e eu confesso que quase fiz julgamento precipitado ao me esquecer da importância do ar condicionado no clima do litoral nordestino), sugiro ligar para o Nietzsch e dizer que a ausência vai se prolongar um pouco mais, e deixar um bilhete pro Baudelaire avisando que foi comprar um vinho, e então, vá correndo encontrar-se furtivamente com Sêneca, na carta XVII:

http://www.lettersfromastoic.net/letter17/

Sobre a solidão, é curioso que quanto mais probabilidade há de que tenhamos momentos de solidão. O ócio favorece as presenças. Os negócios as afugentam.

Mas é uma questão de época. "Nossa vida é obra de tapeçaria. É tecida de cores alegres e vivas, que fazem contraste no meio das outras nubladas e tristes" Stênio Marcius (https://www.youtube.com/watch?v=xYupEOXiPbM) - Muito agostiniano para uma nietzschiana, eu imagino.

Que haja mais abraços no ano que vem!

Vá em frente!