terça-feira, 9 de junho de 2015

CRUCIFIQUEM, CRUCIFIQUEM!

Alguém falou sobre a trans crucificada na parada gay que não se pode esperar que um povo que não sabe interpretar a Bíblia, consiga interpretar uma imagem simbólica.

Ora, moça, eu entendi sim a intenção da trans. Entendo até seu protesto ao dizer essas palavras em indagar sobre a falta de discernimento do povo que se diz cristão e não saber interpretar a Bíblia. Entendo e concordo (com você e não com a trans). E poderia concordar com a trans, se ela tivesse o discernimento do protesto que ela estava fazendo. Desse modo, se falta sabedoria na interpretação da Bíblia aos cristão, falta de igual modo, sabedoria aos protestos infundados contra esse povo.

Como não carrego a bandeira idólatra de nenhum lado, venho aqui falar a minha opinião sobre o fato, que consiste brevemente no seguinte:

Assim que vi o protesto eu procurei despir-me de qualquer visão deturpada, do mesmo modo que me ausentei do extremismo de outras imagens que mostravam gays em crucifixos se beijando e até praticando orgias; ou mesmo masturbação com crucifixos. A imagem não exibia depredação de imagens sacras, muito menos brincava com palavras ditas santas. Do mesmo modo, pode-se alegar Jesus não foi o único crucificado. 

Os cristãos de verdade deveriam saber que a cruz representa um sacrifício de dor e de todo sofrimento e principalmente deveriam ver Jesus a maior parte do tempo FORA dela, já que acreditam e pregam que Ele VENCEU a cruz. Principalmente deve-se entender que todos carregam uma cruz e aqueles q sofrem preconceitos, especificamente no caso da trans, sentem-se impossibilitados de agir, são postos à margem da sociedade e são crucificados todos os dias em suas famílias e demais grupos sociais, sendo, de fato, expostos à vergonha por um erro e uma culpa q eles não têm.

Mas...
A questão aqui é que existem grupos extremista de todos os lados e muitos, que saem nesses protestos, fazem isso para chocar mesmo. Tenho minhas dúvidas se a figura colocada com os cabelos, vestes e "símbolo" tão semelhante aqueles cultivados por milênios como referência a Jesus, sejam alusivos às características que citei acima ou sejam  para agredir diretamente à igreja. Lembre-se que, apesar de Jesus não ter sido o único crucificado, foi o único que, tendo sido aclamado por muitos "rei", foi o único sim, que teve uma coroa de espinhos, tal qual a trans utilizou. 

Diante disso, se o povo é raso em não interpretar a Bíblia que se acredita, tampouco pode-se falar em profundidade em interpretação para saber justificar um protesto dessa complexidade sob o argumento que utilizei acima. Após a mídia cair em cima e as notas de repúdio e perseguição virem pesadas sobre o ato, aí sim, todas as mentes tornam-se esclarecidas. Mas aí é muito conveniente, pois já se teve tempo de elaborar a resposta. 

Respeito para quem dá o respeito e parece que de ambos os lados isso já se perdeu faz tempo...

Nenhum comentário: