segunda-feira, 1 de setembro de 2014

E disse Deus: você vai perder todo o seu cabelo, porque EU quero.

Ok. Valeu!
E todos os dias eu vejo cabelos soltos em todo o corpo.
Deus não ganha nada se eu ficar careca, mas eu perco muito e é isso que interessa a Ele.
Deus e essa necessidade suprema de mostrar que manda, que tem poder, que é, como se eu não soubesse.
Eu seria psicanalista de Deus, porque isso é muita crise existencial acumulada e Ele precisa desabafar, ou melhor, Ele não precisa de nada, me enganei. Ele precisa apenas que eu sofra porque eu não faço o que Ele quer, porque eu sou tão má, porque eu uso palavras que ferem os ouvidos dos santos eleitos DEle, porque eu questiono o que os homens dizem que Ele quer, porque eu tenho esse amor exacerbado por mim mesma, porque eu sou o câncer que Ele precisa combater.
Deus, Senhor, com todo o respeito que lhe tenho e jamais deixarei de ter, gostaria de dizer o seguinte:
Eu lhe admiro por seu poder, nunca duvidei de sua onipotência. Aliás, nunca duvidei de sua onisciência nem de sua onipresença. Eu só duvidei, um dia, de sua bondade. Um ser que contempla tudo também engloba o bom e o mau, o feio e o belo. Aprouve a mim, conquistar do Senhor o mau e o feio.
Primeiro o senhor me humilhou quando eu era atriz e aos 17, sorria as gargalhadas mais felizes e ingênuas de minha vida e tinha planos. O Senhor me fez ter episódios de mania e depressão. Na depressão, não encontrei forças para sorrir e afundei por tempo suficiente para perder a estética corporal que eu tinha, a pele limpa do rosto e o brilho dos olhos. Engordei mais de 30kg, era triste e infeliz. Não dançava, não interpretava, não escrevia, não trabalhava, não estudava, não sorria, não vivia.
Temei com o Senhor pela primeira vez e não aceitei suas regras. Fiz uma cirurgia e emagreci. O Senhor então, sorriu e disse "pode ser magra, mas irá amargar as marcas da flacidez e jamais voltará a ser como antes". Tudo bem, aceitei.
Voltei a sorrir, a sonhar, a viver!
O Senhor viu que eu estava muito bem e disse "onde estou eu nessa história? Olhe pra mim! Ei! Olhe!"... Aí eu olhei e expliquei que o Senhor era a base de tudo. O alicerce, a coluna, o piso e o teto de uma estrutura sem começo nem fim. Eu continuei lhe respeitando. Seria burrice não o fazer.
Mas ainda assim, não foi suficiente. O Senhor ficou com ciúmes do amor que eu tenho por mim e resolveu afetar aquilo que me é orgulho (minha imagem, novamente, claro), dessa vez, o Senhor disse que eu perderia todo o meu cabelo.
Assim está sendo, Deus.
Só queria concluir dizendo que, ainda que eu perca todo o meu cabelo, me resta o cérebro para pensar, as mãos para escrever e a voz para falar. Que eu perca a voz, ainda escrevo, que eu perca as mãos, ainda penso, que eu perca o cérebro, tanto faz pois não terei mais consciência.

Deus, o Senhor é.
Deus, o Senhor não é bonzinho.
Deus, o Senhor não vai com minha cara.
Deus, o Senhor não precisa de mim.
Deus, o Senhor sabe de tudo isso.
Deus, o Senhor é tão sábio.
Deus, o Senhor sabe que sou tão burra.
Deus, o Senhor é tão forte.
Deus, eu sou tão fraca.
Porque essa obsessão em ferrar minha vida?

Tem gente que diz que eu me acho o "umbigo do mundo". Começo a achar que sou mais! Eu sou o umbigo de Deus!

Nenhum comentário: