segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Pequenas reflexões sobre grandes coisas

Eu preciso mudar.
Ou
Eu preciso mudar?
Que sentimento estranho é esse que impele você a se preocupar com o outro? Não acredito em altruísmo, mas acredito no que eu sinto. Se eu sinto, não preciso dizer. Mas o que eu sinto, me incomoda. Não preciso mudar porque querem que eu mude. Não preciso mudar porque a pessoa que mais amo no mundo acha que eu estou errada.
Eu não estou errada. O diferente não é necessariamente mau.
Eu queria morrer.
Ou
Eu queria morrer?
Eu queria viver, amando as pessoas. Eu juro que queria. Mas eu queria que as pessoas entendessem que o amor é livre. Mas não. As pessoas fazem com que a felicidade dependa da felicidade de quem amam. Isso não é amor. Eu me sinto bem por ter aprendido a amar. Eu me sinto mal, porque quem eu amo, não sabe amar.
Porque minha felicidade tem que ser a infelicidade do outro?
Eu queria morrer.
Não.
Eu queria morrer para todo mundo, para que ninguém se preocupasse mais com meus "erros" e sofresse por eles. Afinal, são MEUS erros! Mas eu queria morrer para as pessoas e queria continuar vivendo. Eu continuaria amando, mas não continuaria fazendo os que eu amo sofrer por mim.
E Deus?
O amo e sou correspondida. E o que Ele quer de mim? O que eu quiser. Porque Ele é Deus, sem início nem fim, em um continuum com ponto médio, mas que à direita e à esquerda, tende ao infinito. Acho que se inspiraram NEle para construir os eixos negativos e positivos. Assim é Deus: um eixo "x,y" e no plano, o gráfico da vida.
Estou com vontade de ir morar na Índia. Ou em Marte.
Eu não queria morrer.
Eu queria viver.
Ou
Nunca ter existido.



Nenhum comentário: