sábado, 29 de agosto de 2009

TRANSTORNO ESQUIZOAFETIVO, ESQUIZOFRENIFORME E ESQUIZOFRENIA

A distinção entre Transtorno Esquizoafetivo, Esquizofrenia e Transtorno do Humor com Aspectos Psicóticos freqüentemente é difícil pois está inserida em uma categoria psiquiátrica controversa. Por definição um paciente esquizoafetivo é aquele que não é esquizofrênico, embora psicótico, com marcantes sinais de transtornos afetivos, ou seja, com evidentes períodos em que se apresenta como deprimido ou maníaco e sem sintomas psicóticos, e fases em que fica psicótico sem sintomas afetivos, são pacientes que apresentam critérios de diagnóstico para dois distúrbios simultaneamente.


Sendo assim, alguns pesquisadores julgaram melhor criar um novo tipo de transtorno do que afirmar que certos pacientes têm duas doenças mentais ao mesmo tempo, surgindo então a categoria "transtorno esquizoafetivo" que segundo a Dra. Andrea de Abreu Feijó de Mello é uma doença caracterizada por uma conjunção de sintomas de esquizofrenia e transtorno bipolar do humor, isto é, ao mesmo tempo a pessoa apresenta delírios e alucinações e pode ter sintomas depressivos importantes ou agitação, humor expandido, aceleração.


No Transtorno Esquizoafetivo, deve haver um episódio de humor concomitante com os sintomas da fase ativa da Esquizofrenia, os sintomas de humor devem estar presentes por uma porção substancial da duração total da perturbação e os delírios ou alucinações devem estar presentes por pelo menos 2 semanas, na ausência de sintomas proeminentes de humor.
Em comparação, os sintomas de humor na Esquizofrenia têm uma duração breve em relação à duração total da perturbação, ocorrem apenas durante as fases prodrômica ou residual ou não satisfazem todos os critérios para um episódio de humor. Se os sintomas psicóticos ocorrem exclusivamente durante períodos de perturbação do humor, o diagnóstico é Transtorno do Humor com Aspectos Psicóticos.

No Transtorno Esquizoafetivo, os sintomas não devem ser atribuídos a um episódio de humor se forem claramente decorrentes de sintomas de Esquizofrenia (por ex., dificuldade para dormir em razão de alucinações auditivas perturbadoras, perda de peso porque o alimento é considerado envenenado, dificuldade para concentrar-se em vista da desorganização psicótica). A perda de interesse ou prazer é comum em transtornos psicóticos não-afetivos; portanto, a fim de satisfazer o Critério A para Transtorno Esquizoafetivo, o Episódio Depressivo Maior deve incluir um humor globalmente deprimido.

Uma vez que a proporção relativa de sintomas de humor para sintomas psicóticos pode mudar durante o curso da perturbação, o diagnóstico apropriado para um episódio individual da doença pode mudar, de Transtorno Esquizoafetivo para Esquizofrenia (por ex., um diagnóstico de Transtorno Esquizoafetivo para um Episódio Depressivo Maior severo e proeminente com duração de 3 meses, ocorrendo durante os primeiros 6 meses de uma doença psicótica crônica, seria mudado para Esquizofrenia se os sintomas psicóticos ativos ou residuais proeminentes persistissem por vários anos sem a recorrência de outro episódio de humor). O diagnóstico também pode mudar para episódios diferentes da doença separados por um período de recuperação. Por exemplo, um indivíduo pode ter um episódio de [284]sintomas psicóticos que satisfazem o Critério A para Esquizofrenia durante um Episódio Depressivo Maior, recuperar-se completamente deste episódio e, mais tarde, desenvolver 6 semanas de delírios e alucinações sem sintomas proeminentes de humor. O diagnóstico, neste caso, não é Transtorno Esquizoafetivo, porque o período de delírios e alucinações não foi contínuo ao período inicial da perturbação. Ao invés disso, os diagnósticos apropriados são, para o primeiro episódio, Transtorno do Humor com Aspectos Psicóticos, Em Remissão Completa, e Transtorno Esquizofreniforme (Provisório) para o episódio atual.


Quando existem informações insuficientes envolvendo a relação entre os sintomas psicóticos e de humor, Transtorno Psicótico Sem Outra Especificação pode ser o diagnóstico mais apropriado.


Quanto mais investigo, mais vejo como é difícil ser um psiquiatra. Os quadros dos pacientes geralmente são repletos de "sintomas" e rotular um paciente é tarefa de grande responsabilidade. Se tratamos de bipolares, esquizofrênicos, compulsivos, maníacos ou depressivos não é o caso; o importante é seguir o esquema medicamentoso corretamente aliado à psicoterapia que vai ajudar a você a descobrir quem você realmente é, oferecendo melhores oportunidades de convívio com a sociedade e com você mesmo.


15 comentários:

layne disse...

pensava que meu primo era esquizofrenico, mas agora sei que ele tem transtorno do humor com aspectos psicóticos, parece ser mais leve.
(é serio.)

layne disse...

helena, agradeço sua passagem no meu blog. meu comentario acima teve uma pitada de humor, mas faz sentido sim.

quanto ao meu post, eu não vejo nem ouço nada não (inclusive tenho mto medo disso). sabe "O poeta é um fingidor. Finge tão completamente. Que chega a fingir que é dor. A dor que deveras sente"

eu não sou poeta, mas tento :p

Nova Quahog disse...

OBRIGADO PELA VISITAA!

Carolina disse...

Ah, obrigada! Caruaru? Tenho primas que moram lá! :D Pois é, Oswaldo sempre fazendo eu me questionar! kkkkkkkkkk Beijooos

Jaime Guimarães disse...

Bem interessante esta diferenciação.

Se para um profissional a linha este transtorno esquizoafetivo, transtorno do humor e depressão mostram-se muito tênues, imagine para os leigos.

Neste caso, mais do que o medicamento, a psicoterapia vai indicar exatamente o tipo de paciente com quem o profissional estará lidando e, assim, tomar as melhores decisões para ajudá-lo.

Eu gostei do post. Bastante interessante.

abs!

elizete.luz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
elizete.luz disse...

Passando pra informar que seu blog recebeu um selo...
Confira: http://recordacoesbyelizete.blogspot.com/2009/08/o-blog-recordacoes-recebe-seu-primeiro.html

Venha me fazer uma visita:
http://recordacoesbyelizete.blogspot.com/

Legal o seu blog, estou seguindo

Inez disse...

òtimo texto, bastante elucidativo, muita gente não tem conhecimento dos diversos tipos de transtornos existentes e ás vezes convive com o problema sem saber do que se trata.

Marcello disse...

Muito bom texto.

Não sabia desse tipo de transtorno, aos leigos tudo parece ser uma coisa só, não ???

Ótima semana.

ADMBANZAI disse...

Obrigado,no momento posto algumas coisas engraçadas porque estou juntando material para publicaçao.
Seu blog tbm eh interessante,parabens.
Tem muito conteudo,mas tome cuidado com as fontes pois nem todos os sites autorizam,deve-se mandar um e-mail para o autor pois isso ja aconteceu no meu caso.
Agora,muitas fontes minhas veem de sites como wikipedia.
bjs

ADMBANZAI disse...

prefere tweeter?
Porque?
Tem mais recursos?

Danilo Fernandes disse...

Obrigado pelo lobby! kkkkk

Saudades desta sua terra ai. Tenho em Caruaru bons amigos... Só não vou ai tem 10 anos! kkkk

Anônimo disse...

bom dia//até pouco tempo atrás,eu nunca tinha ouvido falar em esquisoafetivo.Descobró que possivelmente minha filha de 22 anos tem êste problema.Eu não quero ver minha filha grogue de tantos remédios.Eu estou sofrendo muito.Ela toma carbamazepina,ácido valpróico,sertralina,vallium 02mg e amplictil.Pode ?Minha filha é tão alegre e bonita!Não estou conseguindo psiquiatra para tratar dela,estou aguardando a chamada.Ela se trata no Hospital das Clinicas com o neuro,mas é só rotina e receita do mesmo remédio.Eu estou revoltada,estou chorando e peço desculpas se me excedí.abraços Cida

Anônimo disse...

obrg pelo esclarecimento eu sou ezquisoafetivo acrediro q a dr: ja ouviu falar de meu medico grabriel elias save coll. eu fazia acompanhamento tomando amplictil tegretol e 80mg de valium quando cheguei ao gabriel ; ele fez a desenytoxicação dos benzo e entrou com quetiapina600mg sai do quado
euforicoe hoje vivo muito bem poderia complementar com alguma outra droga desse transtorno obrigado por a dr: perder alguns segundos lendo essa babaquicepq eu me sintoi assim boa tarde

Anônimo disse...

bia tarde cida coverse com seu medico a respeito da quetiapina e uma medicação muito cara mas o sus fornece essa droga nao deixa groge toma como se fosse uma vitamina ela estabiliza a euforia e tbm age com anti depressor maior atras da euforia eu tomo quetiapina donarem e um indutor do sono q nao causa ressaca mas nao benzodiazepinicos pq eu fui dependente converse com o medico dela e tbm a terapia ajuda muito nos bipolares a ganhar confiança