sábado, 8 de agosto de 2009

A ABISSAL DISTANCIA ENTRE O POLITICO E O ELEITOR

O presidente do Conselho de Ética do Senado, Paulo Duque, arquivou nesta sexta-feira as sete últimas denúncias por falta de decoro parlamentar contra o presidente da instituição, José Sarney, enviadas ao órgão por partidos e parlamentares. Na quarta-feira, Duque já havia rejeitado outras quatro acusações. Tais acusações, se apuradas, poderiam ser o início da justiça contra os abusos de poder dentro do Senado e, quem sabe até, provocar um efeito dominó, pois não temos apenas o caso do Sarney, o fato é que este virou moda.
Seriam as denúncias contra Sarney uma mera coletânea de recortes de jornais tão banais a ponto de serem arquivadas, como revelou o presidente do Conselho de Ética?

Todas as denúncias contra Sarney arquivadas por falta de provas!


Seria o presidente do Conselho, advogado de defesa do Senador? Não excluindo os tão importantes e desmercidos "recortes de jornais", as provas são evidentes. Funcionários transitam pelo Senado aos montes! O estacionamento está sempre lotado com vagas ocupadas por motoristas, copeiros, serventes, assistentes do 3° carimbador... etc.

Mas a minha maior revolta, não fica dentro do Senado. Fica fora dele.
Minha revolta está em ver o brasileiro deitado eternamente em berço explêndido, não por comodismo, mas por impotência. Em ver que os ideais de sonhos, lutas e revolução por um país mais digno faz parte do apêndice de algum livro, cujo o próprio autor não tá nem aí pra você e nem aí pra mim.

Minha revolta está em saber que segunda-feira muitos saberão sobre o capítulo da novela, os reallity-shows, e até a sessão da tarde, mas poucos saberão e nem ao menos estarão interessados em saber sobre nossa política, nosso país.

Minha revolta está em saber que nosso país está envelhecendo e os políticos continuam roubando e daqui há 5 ou 10 anos, nossa previdência terá que ser reformada, mas ninguém discute alternativas.

Minha revolta é saber que a "moça do cafezinho" do Senado recebe 2 mil por mês. E o INSS nega 1 salário mínimo de auxílio doença a quem precisa.

Minha revolta é ver médicos inescrupulosos nas perícias do INSS, submetendo os doentes a situações humilhantes e constrangedoras.

Minha revolta é ver que enquanto isso acontece, o conselho de Ética arquiva as ações contra os sarneys deste país!
Por: Hellen Taynan

4 comentários:

BRUNO disse...

É comum vestir a democracia de uma utopia libertadora, quase sagrada, mas a democracia que todos lutaram na década de 80 era por uma democracia mais representativa, o que dimunuiria essa enorme distância entre eleitor e candidato.

Obrigado também por sua visita no "temporário", saiba que será sempre bem-vindo por lá.

Abraços!

http://tempo-horario.blogspot.com/

Avassaladoras Rio disse...

Querida amiga avassaladora...
Meu pai era um homem honesto e etico, e por isso passou situações muito dificieis na vida. A pior delas foi quando ele ouviu de um canalha a seguinte frase:
"A justiça pode ser cega, mas não é surda e ouve muito bem o barulhinho das moedas nos pratos da balança!"...
Meu pai indgnado , nada pode fazer...
Mas nós podemos e devemos fazer... NÃO VOTANDO NESSES CANALHAS CRISTALIZADOS! Pode demorar uns bons 20 anos, mas eles não são imortais... mas o povo , é!

Giovana disse...

Oi Hellen,
Vim conhecer seu cantinho.
Gostei muito das coisas que vc escreve.
Que bom que está se interessando por artesanato. É uma terapia. Eu me sinto realizada com cada peça que termino... é muito bom!
Fica com Deus.
Bjs,
Giovana

Cleo disse...

Passando pra desejar um bom dia!