domingo, 12 de julho de 2009

Quando Você Escolhe o Que Herda


Uma infância confusa, uma adolescência perdida, uma juventude interrompida pela sombra da morte que ela mesma sempre buscou.

Sua vida em família provavelmente foi muito complicada, poucos diálogos, muitas brigas, grandes ofensas, diversas dicussões e quantas agressões? Só ela saberia responder... Mas, onde ela está agora?
A conheci em 2005 quando eu fazia cursinho num colégio particular em Caruaru, muito embora já a conhecsse de vista antes pois ela estudara com minha irmã num passado não tão distante e sempre tivera aquele olhar meio perdido. Na verdade, ela era mesmo visivelmente toda perdida e precisava urgentemente se encontrar. No entanto... Ela se declarava feliz.
Em suas festas,
em seus risos,
em seus cigarros,
em seus porres,
em suas drogas...
Ela sentia-se na moda.
Ela sentia-se no grupo.
Sentia-se feliz.


Às vezes eu tinha a impressão, e hoje eu tenho a certeza de que ela nunca se encontrou. Não teve tempo de se posicionar em ser um ser uno neste mundo, oscilando entre os pontos mais extremos de forma natural em sua vida e pior do qualquer patologia psiquiátrica. Sua mais grave doença seria curada com amor pois hoje após acompanhar os acontecimentos, atrevo-me a diagnosticar sua patologia como carência. Necessidade suprema de ser notada, de ser vista, amada, enfim.

O que aconteceu durante estes anos que nos afastaram não sei detalhar, mas nada muito diferente de constantes internações por crises de bulimia/anorexia, overdose, comas alcóolicos dentre outros. O que pude acompanhar foi uma declaração dela própria em 09 de maio através do orkut que estaria sendo internada à força em uma clínica para dependentes químicos e um pedido para que seus amigos não a esquececem.
Dia 06 de junho um recado de algum parente informando que ela sofrera um grave acidente e estaria internada num hospital.
Alguns dias após, em 28 de junho, a boa notícia de que ela estaria em casa de alta médica.
Finalmente, 05/07 a informação que ela falecera devido a complicações causadas por uma queda de cavalo.

Queda essa que não soube se foi provocada por ela mesma, o que não se pode desconsiderar.

Enfim... 22 anos, bonita, jovem e que explicitou em suas palvras que viveu uma vida alegre e muito feliz.
Sua declaração em seu perfil diz:

"Loucos como eu vivem pouco, mas vivem como querem, pouco me importa se não
houver o amanhã, eu tenho a vida e não a eternidade...!"
Ass. NaY... CrAzY...
N eskeçam de mim meus amigos.

Ela se declarava feliz, sem medo do futuro e pronta para morrer.
Quem acreditaria?


Por: Hellen Taynan

7 comentários:

Juh Camargo disse...

Fiquei no mínimo comovida com a história dela... Quantas pessoas não passam por algo parecido? É uma escolha de vida, de pensar, respeito, mas não deixo de pensar no que você disse sobre as provaveis relações dela no passado que a levaram a esse estado intenso e momentâneo de levar a vida... Triste, pois penso também que ela nunca chegou a se encontrar ou realmente ser feliz, ou então não precisaria desses erros todos...

Seu blog é muito original parabéns!
Amém!E que Deus abençõe a sua vida também!
Beijos!

Joelson Gomes disse...

Só para dizer que meu amor escreveu isso de primeira, na própria janela do blogger, basta isso para dizer que ela é genial. Parabens amor.

Ronaud Pereira disse...

Bela história.

E eu viajando como sempre. Essa história me fez lembrar a fábula da cigarra e da formiga. É aquela coisa de termos diante de nós dois caminhos e chegarmos a conclusão de que nenhum é totalmente certo ou errado.

Allerson disse...

hehe, gostei da sua frase "Eu tenho a vida não a eternidade" pq já seu sou o contrário, eu tenho a eternidade. Deus existe e sou um dos seu filhos ^^

www.allersonblogger.blogspot.com

Átila Matos disse...

É complicado, muito complido mesmo! O que eu acho mais injusto na sociedade, é o fato das pessoas serem inocêntes de um ponto que acham que tudo na vida depende de moda, você está bem por isso? por que os outros fazem? Só faltam em nós um pouquinho mais de contade própria, nao falando do caso... mas as vezes falta personalidade mesmo.
visitarei você mais vezes, gostei!
abraços,

Hellen Taynan disse...

Allerson "eu tenho a vida e não a eternidade, não é uma frase minha". Parabéns por suas palavras, eu tbm sou filha do dono da eternidade e por isso herdeira desta.
=)

Carina disse...

Impressionante a vida dessa garota, e muitas pessoas acabam levando vidas iguais a dela. Já a historia de um garoto que tambem colocou despedida no orkut e se matou... Chocante isso.